Uma longa-metragem documental realizada por PABLO GARCÍA PÉREZ DE LARA e MARC SERENA

DOBLE BANDA presenta TCHINDAS com TCHINDA ANDRADE, EDINHA PITANGA e ELVIS TOLENTINO
produção executiva YOLANDA OLMOS e MARC SERENA realização PABLO GARCÍA e MARC SERENA fotografia PABLO GARCÍA
som direto MARC SERENA montagem PABLO GARCÍA desenho de som e mixagem VERÒNICA FONT pós-produção e produção
associada ZOCO SERVEIS AUDIOVISUALS cartaz e imagem gráfica BENDITA GLORIA com a participação FORA DE QUADRE
com o apoio de AJUNTAMENT DE BARCELONA e CONSELL NACIONAL DE JOVENTUT DE CATALUNYA

© uma produção de DOBLE BANDA

Tchinda Andrade é hoje uma das mulheres mais amadas da ilha de São Vicente, em Cabo Verde. Esta notabiliza-se sobretudo a partir de 1998, ano em que decide sair do armário, assumindo-se como trans a um semanário local. O seu nome torna-se então na forma como as pessoas queer passam a ser designadas no seu país.

Tchinda tem agora 35 anos e vive de forma humilde, a vender coxinhas pelo seu bairro. Durante todo o ano, reina a calma, mas tudo muda quando chega o Carnaval. No mês que o antecede, toda a ilha se põe a trabalhar para do nada criar algo verdadeiramente deslumbrante.

São Vicente torna-se um “pequeno Brasil”, como já descreveu Cesária Évora (1941-2011) numa morna incontornável. A sua música e as tchindas guiam-nos numa viagem fascinante a um recanto desconhecido de uma África que poucas pessoas podem imaginar.

Rodado em Mindelo, na ilha de São Vicente (Cabo Verde)

94 minutos
Língua: crioulo cabo-verdiano
2015

«Cabo Verde é um país independente de Portugal desde 1975, conhecido em todo o mundo pela sua cantora mais internacional, Cesária Évora. As sus músicas são cantadas em crioulo cabo-verdiano, uma língua com um milhão de falantes.

Em 2011, visitei Cesária na sua casa, junto com Tchinda e Edinha, e conversámos bastante. Lembro-me perfeitamente de quando ela me disse: “Tem de voltar para ver o Carnaval, é o melhor da África”. Morreu 36 horas depois eu tornei-me no último jornalista do mundo a falar com Cesária. Portanto, levei muito a sério as palavras que ela me disse e voltei mesmo à ilha… para rodar este documentário».

Marc Serena

«Em São Vicente, o ano começa e acaba no Carnaval. É impressionante a forma como esta festa se tornou no centro da vida das pessoas. Queremos contar isso num filme que é sensível, poético e uma celebração final.

Utilizamos nele algumas palavras locais de tradução difícil, como: “sodade” (a saudade, amiúde considerada positiva), “morabeza” (a hospitalidade) e, obviamente, “tchindas”, uma palavra que serve para compreender que São Vicente é, com certeza, uma exceção, pelo respeito que lá recebem as pessoas trans. Esta é uma história desconhecida que vem de África, e toda a sua gente deveria sentir orgulho nela».

Pablo García Pérez de Lara
Os realizadores

PABLO GARCÍA PÉREZ DE LARA (Barcelona, 1970) realizou duas longa-metragens: Fuente Álamo, la caricia del tiempo (2001), selecionada para o Karlovy Vary, e Bolboreta, papallona, mariposa (2007), na seção oficial de Karlovy Vary e em San Sebastián. A curta Alicia retratada (2002) foi selecionada para a Semaine de la critique de Cannes. Para a televisão, realizou os documentários Son de Galicia (2006) e Mura, un pueblo de cine (2010). Já trabalhou numa dúzia de produções, principalmente como diretor de fotografia: entre outros, Familystrip (2009), de Luis Miñarro, e El efecto K: el montador de Stalin (2012), de Valentí Figueres, selecionadas para sessenta festivais.

MARC SERENA (Barcelona, 1983) é jornalista e esta é trabalha habitualmente como guionista de rádio e televisão. Publicou o livro ¡Esto no es africano! (2014), uma viagem de norte a sul do continente à procura de “amores proibidos”. O livro anterior, La vuelta de los 25 (2011), teve grande sucesso na Ásia, onde foi lançado em chinês e em coreano. Relaizou o documentário interativo Doble epidemia (2015).

A produtora executiva

YOLANDA OLMOS (Barcelona, 1966) trabalha na Doble Banda como produtora e realizadora. Desde 2001, produziu dezasseis longa-metragens, especialmente documentários.

Ficha técnica

Cartaz e design
BENDITA GLORIA

Fotos da equipa
FLARE ESTUDI

Com a participação de
fora-de-quadre

Com o apoio de
ajuntamentbcn

cnjc

accd

ramon-llull

Distribuição internacional
catndocs

Uma produção de
doble-banda

Real, vivo e tenro
THE HOLLYWOOD REPORTER

 

Apaixonante
FRONTIERS MEDIA

 

Imperdível
VOGUE PORTUGAL

 

Revela-nos uma África contracorrente
MÁQUINA DE ESCREVER

 

Íntimo e magistral
OUTFEST LOS ANGELES

 

O amor que inspiram é evidente
CNN

 

Um rico retrato da cultura cabo-verdiana
JOVEMTUDO

 

Não é a nossa heroína típica das palavras longas
DEZANOVE

 

A vida quotidiana nem sempre é fácil,
mas o amor pela arte faz relativizar tudo
76 CRIMES

 

“A primeira que deu a cara para bater. Mesmo esbofeteada
por palavras e gestos cruéis, continua sempre dura e firme”
EU MAIS ÁFRICA

Materiais de descarga
Cartaz (954,38 KB)
Imagems (3,74 MB)
09/04/2016

Lo Pati Amposta

01/02/2016

Afropop (EUA)

28/11/2015

Alliance Française de Mindelo (Cabo Verde)